Chama o Doutor

O que é Quiropraxia? Veja os benefícios e riscos.

quiropraxia
Foto: Toa Heftiba

Muitos pacientes nos perguntam o que é a Quiropraxia, se o tratamento é seguro e qual é a formação necessária. Neste artigo iremos responder algumas dúvidas:

  1. Quiropraxia é o mesmo que estalar a coluna?

Ir a um profissional que estale ou manipule a sua coluna não significa que você está recebendo um tratamento de Quiropraxia. Atenção, existem diversas técnicas que utilizam a manipulação articular e nem todas possuem investigações científicas que comprovem sua eficácia e segurança. Antes de querer sair por aí sendo “estalado” lembre-se que é fundamental procurar um profissional com formação reconhecida pelos órgão competentes que avaliam e regulamentam a profissão.

2. O que é a quiropraxia já que ela não é um simples o estalar das articulações?

A Quiropraxia foi desenvolvida nos EUA e a sua criação é atribuída a D.D. Palmer em 1895. Para tornar-se Quiropraxista é necessário realizar curso de graduação em Quiropraxia e não uma especialização.  As normas e diretrizes que regulamentam a formação são pré-estabelecidas pela World Federation of Chiropractic (WFC) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Neste link[1]  é possível verificar a lista de universidades reconhecidas pela OMS e pela WFC. No site da Associação Brasileira de Quiropraxia[1]  (ABQ) você pode encontrar profissionais brasileiros cuja formação respeita as diretrizes internacionais.

3. Quais problemas são indicados para Quiropraxia?

A Quiropraxia é indicada para pacientes sintomáticos e para o tratamento preventivo. É indicada para todas as idades, desde o recém-nascido até a terceira idade. No consultório as queixas mais comuns são hérnia de disco, torcicolo, dor de cabeça, tendinites, dor no nervo ciático, desconfortos articulares e alterações posturais. Atletas e pacientes assintomáticos devem realizar o tratamento com o objetivo de evitar futuras lesões e visando o aumento do rendimento esportivo. A prevenção é fundamental para manter a saúde da coluna em movimento.

  4. Existem contra-indicações ao tratamento?

São raros os pacientes que não podem ser atendidos, porém existem contra-indicações em especial para o ajuste realizado manualmente. Pacientes com osteoporose precisam de um tratamento de baixo impacto;  suspeitas de fratura devem ser encaminhadas  para avaliação médica; pacientes com síndrome de down ou portadores de artrite congênita apresentam contra-indicação para ajustes na cervical alta. Na maioria dos casos a contra-indicação é relativa, ou seja, é possível selecionar um plano de tratamento seguro ao paciente e muitas vezes é interessante realizar o tratamento em conjunto com outros profissionais da área da saúde.

5. Qual o risco do ajuste cervical?

Alguns casos polêmicos divulgados na mídia levantaram dúvidas sobre a segurança dos ajustes.  Um exemplo é a polêmica gerada sobre a modelo Katie May[1] . O irmão da modelo afirmou que a causa da morte foi um problema na artéria carótida em decorrência da queda sofrida durante uma sessão de fotos. Porém, a mídia relatava que o acidente havia sido provocado pelo tratamento de Quiropraxia. Um estudo científico canadense, realizado entre 1988 e 1997 avaliou 134,5 milhões de manipulações realizadas por quiropraxistas graduados. Este comprovou ser impossível estabelecer uma relação entre o tratamento de quiropraxia e a lesão sofrida pela modelo. Em países como o Brasil, no qual a profissão ainda está em fase de regulamentação, o maior risco é ser atendido por um profissional que não possui formação adequada para realização de uma conduta segura. Como toda profissão as contra-indicações existem e apenas um Quiropraxista com formação é capaz de reconhecê-las e oferecer um tratamento seguro para o seu paciente.

Fonte: Lisani Albertini, quiropraxista da Clínica Dorsalis: Quiropraxia @dorsalis_quiropraxia

Newsletter

Publicidade