Comer Bem Você Sabia?

Jejum intermitente faz bem e serve pra todos? Veja.

O jejum intermitente, que exige não comer por cerca de 16 horas a um dia inteiro, é uma das dietas mais faladas, com muitos benefícios que podem nos ajudar a perder peso rapidamente.

Mas algumas pessoas argumentam que o jejum intermitente tem ainda mais benefícios: várias histórias sugeriram que essa técnica de dieta pode impulsionar o sistema imunológico, e os pesquisadores estão começando a estudar se ele pode melhorar a saúde do coração e diminuir o risco de câncer também. Mas tudo isso é verdade?

Vamos esclarecer uma coisa logo de cara: não há pesquisa suficiente para dizer com certeza absoluta se o jejum tem algum benefício para a saúde, pelo menos de acordo com um nutricionista da equipe do Centro Médico Wexner da Ohio State University, entrevistado pela Men’s Health americana.

De fato, a maior parte da cobertura da imprensa sobre o jejum intermitente e seus supostos benefícios para o sistema imunológico concentrou-se em apenas um estudo. Em 2014, o bioquímico Valter Longo, chefe do departamento de anti-envelhecimento da USC, fez com que ratos e pacientes humanos com câncer jejuassem por quatro dias. Durante o jejum, tanto os camundongos quanto os pacientes com câncer descartavam células sanguíneas velhas; uma vez que o jejum foi quebrado, seus corpos produziram células novas e brilhantes para tomar o lugar das descartadas, regenerando efetivamente seus sistemas imunológicos.

Os resultados do estudo de Longo o levaram a concluir que períodos prolongados de jejum poderiam reduzir os efeitos colaterais severos da quimioterapia para pacientes com câncer (na verdade, alguns pacientes já estão tentando isso por conta própria) ou até mesmo aumentar a imunidade para pessoas saudáveis.

Já um estudo de 2015 da Yale Medical School foi mais longe, descobrindo que tanto a dieta quanto o jejum produzem um composto que impede o sistema imunológico de produzir uma proteína ligada a doenças inflamatórias, como diabetes e aterosclerose. Esse estudo também avaliou células imunes humanas e de camundongos.

A maioria dos planos de jejum intermitente recomenda não comer entre 16 e 24 horas – um período de tempo muito mais curto do que o de quatro dias no estudo de Longo. Por essa razão, Longo diz que é improvável que seu estudo tenha implicações a longo prazo sobre os benefícios dessa dieta para a saúde.

O consenso geral é que, para pessoas saudáveis, o jejum intermitente é relativamente seguro e tão eficaz quanto uma dieta extremamente pobre em carboidratos em termos de encorajar a perda de peso.

Mas não deve adotar essa dieta pessoas com um sistema imunológico comprometido ou uma insuficiência hepática ou renal. E para os praticantes de exercícios, nada de se exercitar durante o jejum de um dia inteiro. Reduzir drasticamente as calorias durante o exercício também pode reduzir seu metabolismo geral.

A recomendação é a de sempre. Pesquise, leia, informe-se e busque sempre profissionais de confiança antes de fazer qualquer mudança radical na sua rotina em busca de uma vida mais saudável. #BrasilRun

Fonte: Men’s Health

Se você gostou desse texto, também vai curtir esse aqui: https://goo.gl/QBPQRT

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar o post

Newsletter

Publicidade